Pular para o conteúdo principal

Previsão para retirada da Varfarina (Marevan)

Paciente apresentou quadro de embolia pulmonar, faz uso de marevan tendo apresentado um bom controle do RNI, aderiu a dieta.
Qual a previsão de uso deste medicamento? Quando tirar o marevan?

A embolia pulmonar apresenta alta prevalência e elevadas taxas de morbi-mortalidade. A taxa de mortalidade pode ser reduzida com uso de anticoagulação. O objetivo da manutenção da anticoagulação após evento tromboembólico é evitar a recorrência de eventos. A duração desta anticoagulação deve ser individualizada, pesando-se os riscos contra os riscos de novos fenômenos tromboembólicos, neste caso tanto em relação à sua recorrência quanto de sua gravidade potencial (ex: pacientes com doenças cardíacas e pulmonares têm maior risco de óbito frente a um novo episódio de TEP). Embora não haja consenso sobre a duração da anticoagulação, algumas diretrizes auxiliam nesta decisão: no caso de TEP secundário a fator de risco transitório e reversível, o tratamento deve durar 3 meses; TEP sem fator de risco identificável (primário ou idiopático) o tratamento deve ser realizado por no mínimo de 6 meses, mas entre pacientes com baixo risco de sangramento e boa adesão à medicação, ela pode ser mantida indefinidamente; TEP primário recorrente a anticoagulação deve mantida indefinidamente; TEP com câncer como fator de risco deve ser iniciada anticoagulação com heparina de baixo-peso molecular por 3 a 6 meses e a seguir, com varfarina por tempo indetermiando; TEP associado a trombofilia normalmente é mantida a anticoagulação indefinidamente. Classicamente a anticoagulação é feita com varfarina com o objetivo de se manter o RNI entre 2 e 3, mas também deve ser individualizado de acordo com o risco de sangramento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lactente de 11 meses é trazido ao pronto-socorro com palidez cutânea e mucosa súbita. Há relato de diarréia recente. Apresenta hemoglobina = 6,5 g/dL; leucócitos = 8.000/mm3; plaquetas = 50.000/mm3; reticulócitos = 8%; hemácias crenadas e esquizócitos; DHL = 800 U/L; creatinina = 1,5 mg/dL. O diagnóstico mais provável é:
a) síndrome hemolítico-urêmica;
b) ricketsiose;
c) púrpura trombocitopênica idiopática;
d) leucemia linfóide aguda;
e) anemia hemolítica auto-imune.

Alternativa A

Percorra seus olhos sobre o enunciado e encontre a 'palavra chave': esquizócitos. O que são
esquízócítos? O prefixo esquizo significa 'fragmento' - por exemplo: esquizofrênico (esquizo + frenos) significa "mente fragmentada". Portanto, esquizócito (esquizo + cito) significa "células fragmentadas", neste caso são os fragmentos de hemácia. A presença de esquizócitos no sangue periférico indica uma destruição mecânica de hemácias, fazendo lembrar algumas causas importantes …

Tratamento de Triglicerídeos com Fibratos

O tratamento recomendado de maior eficácia para a hipertrigliceridemia é com os fibratos, indiscutivelmente, porém o custo do tratamento é significativamente alto e deve ser levado em consideração na escolha do tratamento. Negocie com seu paciente a possibilidade de manipulação do fenofibrato, que tem um custo melhor. Não há problema com seu uso prolongado, porém com a associação com LDL levemente aumentado, vale a pena pensar em usar as estatinas.
Outras drogas são também recomendadas, conforme a diretriz de dislipidemia da Sociedade Brasileira de Cardiologia, porém as mudanças de hábito de vida são sempre a primeira opção, com tratamento medicamentoso complementar, se necessário. Investigue bem uma possível alteração glicêmica, com possibilidade inclusive de realizar teste de tolerância, pois a elevação dos triglicerídeos está intimamente ligada a alteração glicêmica de base.
Seguem algumas orientações da diretriz:
“Excesso de peso, obesidade e síndrome plurimetabólica: O excesso…

PROVA DE REVALIDAÇÃO U. F. M. T. 2010

PARTE OBJETIVA - Cirurgia
As hérnias diafragmáticas podem ser classificadas em: posterolateral, paraesternal ou retroesternal, hiatal e traumática. Sobre o assunto, assinale a afirmativa correta. a) A hérnia de Bochdalek é paraesternal e é a mais frequente nos recém–natos.
b) As hérnias de deslizamento (tipo I: migração da cárdia para o mediastino) e as hérnias de rolamento (tipo II: deslocamento do fundo gástrico para o mediastino) são exemplos de hérnias hiatais.
c) A hérnia de Morgagni é uma hérnia congênita e sua causa é a ausência do fechamento normal do canal pleuroperitoneal (hérnia posterolateral).
d) As hérnias de deslizamento (tipo I: deslocamento do fundo gástrico para o mediastino) e as hérnias de rolamento (tipo II: migração da cárdia para o mediastino) são exemplos de hérnias hiatais.
e) Nas hérnias hiatais de rolamento está indicado o tratamento cirúrgico somente se houver associação com a Doença do Refluxo Gastroesofágico.
VER RESPOSTA

Quanto ao câncer colorretal e aos tumores…