Pular para o conteúdo principal

Esôfago de Barret

Paciente com Endoscopia Digestiva Alta apresentando gastrite leve antral, porém com esôfago de barret. Qual a dose de omeprazol diário devo manter nesta paciente?
A próxima Endoscopia deve ser realizada com quanto tempo para controle do Esôfago de Barret?  


Como é do seu conhecimento o esôfago de Barrett decorre da persistência do refluxo gastroesofágico, dado a uma adaptação da mucosa do esôfago em resposta à agressão ao suco gástrico refluído, tornando esta mucosa mais resistente ao líquido ácido agressor, configurando-se aspecto metaplásico .

Há uma variação quanto a extensão da lesão esofágica e que está diretamente relacionada à severidade do refluxo, podendo caracterizar o que se denomina esôfago de Barrett curto (“short”) ou longo (“long”). Ou seja, quanto maior a intensidade do refluxo gastroesofágico, maior a tendência ao aumento da área comprometida. Os esôfagos de Barrett curtos (menor de 3cm) têm uma incidência de displasia, que é uma alteração celular pré-maligna, menor do que os longos (maior que 3cm), o que também ocorre em relação ao câncer de esôfago. No entanto, independentemente das dimensões das lesões e riscos associados, o esôfago de Barrett deve ter acompanhamento regular.

O esôfago de Barrett é uma alteração geralmente diagnosticada durante a endoscopia digestiva e confirmado através de biópsias da região acometida. Como o refluxo gastroesofágico se associa firmemente com o esôfago de Barrett, nos quadros de queimação retroesternal (no tórax) crônica, é importante que os pacientes sejam submetidos a endoscopia digestiva para avaliação esofágica.

Quanto à epidemiologia da doença, o esôfago de Barrett ocorre mais frequentemente em adultos de média idade (55 anos) e idosos, acometendo duas vezes mais homens que mulheres, com uma incidência na população geral de 0,9 a 4,5%. Este tipo de lesão não causa sintomas, e quando estes estão presentes são associados ao refluxo gastroesofágico, caracterizados principalmente por queimação e regurgitação.

A estimativa anual de cânceres de esôfago originários em pacientes com esôfago de Barrett varia de 0,2 a 2%, e apesar do risco de desenvolvimento tumoral ser 30 vezes maior que na populção geral, o risco absoluto é relativamente pequeno. Por isso, os paciente com esôfago de Barrett devem ter acompanhamento médico contínuo, mas não devem de forma alguma desenvolver angústia exagerada em relação ao diagnóstico.

O tratamento do esôfago de Barrett se orienta em três cuidados principais: o tratamento do refluxo gastroesofágico, o acompanhamento endoscópico, e o tratamento das complicações da lesão esofagiana (displasia). Em relação ao tratamento dos sintomas de refluxo, eles não se alteram em relação aos casos de refluxo com ou sem esôfago de Barrett. Estas medidas incluem melhoria dos hábitos alimentares ( retirada da caféína, fumo, chocolate, refrigerantes, álcool, condimentos dentre outros), alimentar-se de três em três horas em menor volume, perda de peso e, principalmente, medicações que diminuam a acidez gástrica de forma efetiva. A cirurgia é uma opção para o tratamento do refluxo, mas deve ser realizada em casos severos e de difícil tratamento medicamentoso, já que a realização da cirurgia não diminui a incidência do câncer esofágico.

Em relação ao acompanhamento endoscópico dos casos de esôfago de Barrett, ele tem como principal intenção diagnosticar o quanto antes as alterações celulares pré-malignas, como a displasia A displasia, que é uma alteração celular mais grave que a metaplasia (esôfago de Barrett), fornece subsídios às células esofágicas para que estas se malignizem

 As displasias são classificadas em baixo e alto grau. As displasias de baixo grau (poucas alterações celulares) devem ser acompanhadas de forma muito próxima com endoscopias anuais, sendo realizadas biópsias seriadas da região comprometida. Por outro lado, a dispasia de alto grau (muitas alterações celulares) pode necessitar da retirada desta mucosa por endoscopia (mucosectomia) ou técnicas ablativas, e nos casos com comprometimento mais extenso até mesmo a retirada do esôfago acometido (esofagectomia) pode ser indicada.

Entendo que o quadro de gastrite antral seja secundário ao RGE. Desta sugiro além das medidas higieno-dietéticas (importantíssimas!) fazer uso de inibidor de bomba 1 x ao dia 20 mg

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lactente de 11 meses é trazido ao pronto-socorro com palidez cutânea e mucosa súbita. Há relato de diarréia recente. Apresenta hemoglobina = 6,5 g/dL; leucócitos = 8.000/mm3; plaquetas = 50.000/mm3; reticulócitos = 8%; hemácias crenadas e esquizócitos; DHL = 800 U/L; creatinina = 1,5 mg/dL. O diagnóstico mais provável é:
a) síndrome hemolítico-urêmica;
b) ricketsiose;
c) púrpura trombocitopênica idiopática;
d) leucemia linfóide aguda;
e) anemia hemolítica auto-imune.

Alternativa A

Percorra seus olhos sobre o enunciado e encontre a 'palavra chave': esquizócitos. O que são
esquízócítos? O prefixo esquizo significa 'fragmento' - por exemplo: esquizofrênico (esquizo + frenos) significa "mente fragmentada". Portanto, esquizócito (esquizo + cito) significa "células fragmentadas", neste caso são os fragmentos de hemácia. A presença de esquizócitos no sangue periférico indica uma destruição mecânica de hemácias, fazendo lembrar algumas causas importantes …

Tratamento de Triglicerídeos com Fibratos

O tratamento recomendado de maior eficácia para a hipertrigliceridemia é com os fibratos, indiscutivelmente, porém o custo do tratamento é significativamente alto e deve ser levado em consideração na escolha do tratamento. Negocie com seu paciente a possibilidade de manipulação do fenofibrato, que tem um custo melhor. Não há problema com seu uso prolongado, porém com a associação com LDL levemente aumentado, vale a pena pensar em usar as estatinas.
Outras drogas são também recomendadas, conforme a diretriz de dislipidemia da Sociedade Brasileira de Cardiologia, porém as mudanças de hábito de vida são sempre a primeira opção, com tratamento medicamentoso complementar, se necessário. Investigue bem uma possível alteração glicêmica, com possibilidade inclusive de realizar teste de tolerância, pois a elevação dos triglicerídeos está intimamente ligada a alteração glicêmica de base.
Seguem algumas orientações da diretriz:
“Excesso de peso, obesidade e síndrome plurimetabólica: O excesso…

PROVA DE REVALIDAÇÃO U. F. M. T. 2010

PARTE OBJETIVA - Cirurgia
As hérnias diafragmáticas podem ser classificadas em: posterolateral, paraesternal ou retroesternal, hiatal e traumática. Sobre o assunto, assinale a afirmativa correta. a) A hérnia de Bochdalek é paraesternal e é a mais frequente nos recém–natos.
b) As hérnias de deslizamento (tipo I: migração da cárdia para o mediastino) e as hérnias de rolamento (tipo II: deslocamento do fundo gástrico para o mediastino) são exemplos de hérnias hiatais.
c) A hérnia de Morgagni é uma hérnia congênita e sua causa é a ausência do fechamento normal do canal pleuroperitoneal (hérnia posterolateral).
d) As hérnias de deslizamento (tipo I: deslocamento do fundo gástrico para o mediastino) e as hérnias de rolamento (tipo II: migração da cárdia para o mediastino) são exemplos de hérnias hiatais.
e) Nas hérnias hiatais de rolamento está indicado o tratamento cirúrgico somente se houver associação com a Doença do Refluxo Gastroesofágico.
VER RESPOSTA

Quanto ao câncer colorretal e aos tumores…